terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Estou

Venho dos meus pensamentos antigos. De eras remotas, quando nem bem sabia de mim. Venho de sorrisos sem jeito, de um sorrir desbotado - mais para agradar do que para rir. Venho dos meus sumiços, das minhas ausências, dos meus silêncios. Das minhas buscas desesperadas. Dos meus gritos sem eco. Dos meus cansaços. De minhas inconsequências. Mas venho. Arrasto o peso dos séculos e séculos. Das trilhas por onde andei e nem lembro. Suspiro nos perfumes de quem amei - e me amou - e nem sei mais. Puxo meus trajes fugazes, feitos de vento e parcas lembranças. Vejo olhares que se curvavam aos meus - e eu queria tanto um olhar. E vim. Vim. Agora, sem lentes não enxergo meus olhos no espelho. Mas sei que estou ali. Sinto que estou em mim.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Sou

Sou uma parcela, um elo
Um verso, diverso, disperso 
Em um universo paralelo

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

A solidão da moça

Sem pensar em mais nada
A moça circula pela madrugada
E desfila em sua dança pelo salão.


Com um sorriso de triste alegria
Esconde a dor e a melancolia
E disfarça a sua solidão...