quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Em frente

Não havia mais linhas para o passado
Ele, então, ficou assustado, inseguro
Mas, tudo bem, no guichê ao lado
Encontrou passagem para o futuro.
E partiu.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Pausa

É mesmo grande a agitação lá fora
Todos atrás de sonhos e emoções.
Em seu quarto, a moça triste chora
Recuperando-se de suas desilusões.

sábado, 21 de janeiro de 2017

Leve...

Leve neste seu sorriso
A leve brisa que eu adoro tanto.
Ao chegar ao seu destino lembre
Que eu espero, quieto no meu canto.
O seu querer, em gesto impreciso
Vez que outra me cativa e prende.
Sua voz macia, de alegria ou pranto
Parece às vezes que a mim se rende.
Espero, então, o seu olhar em mim
A me dizer o que espero ouvir.
Espero, então, soar seu doce "sim"
E não ter que vê-la outra vez partir...
Você faz falta...

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

É assim...

Diversos lugares
À noite, nos bares
A troca de olhares
Às vezes, certo calor
O carinho, segura
A distância, tortura
Assim é a procura
De um grande amor.

Uma vez...

Vinha de algum outro quadrante
De um ponto sumido, distante
No vasto Universo sideral
Vinha de um modo urgente
Num piscar, feito estrela cadente
A luzir, a fulgurar, a brilhar sem igual
Vinha sem rastro e sem medo
A se expandir, a flutuar, sem segredo
A criar sonhos de forma escultural
Vinha com pressa, sem tempo, sem demora
Não contava, segundos, minutos, nem hora
Não fazer qualquer previsão era do seu natural
Vinha do nada, sem nada, apenas por vir
Não se sabia se haveria um tempo de partir
Não se cogitava sobre início nem se existiria final
Encantou e sumiu, se perdeu neste mundo disperso
Encantou e sumiu, retornou aos confins do Universo
Deixou-se em emoção e na inspiração de cada verso.

domingo, 15 de janeiro de 2017

E aí?

Talvez haja o que te atraia
O que te distraia
O que te abstraia
O que te leve à gandaia
Talvez haja o que te retraia
O que te faça tocaia
O que te contraia
O que chega e te esvaia
Talvez haja o que em ti ensaia
O que em ti sobressaia
O que de ti não se extraia
O que te conduza à vaia
O que te mantém na raia?
O que temes que te traia?
O que queres que fique ou saia?
O que haverá que te subtraia?
E aí, qual é a tua praia?

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Encantamento

Que encanto há
no sorriso disfarçado
no olhar meio de lado
no dizer sem nada falar?
Quem sabe não diz
E nada fica esclarecido.
Tudo assim, por um triz.
Tudo assim, subentendido...

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

A noite

Caminhos que fiz e refiz
Cada dia, cada madrugada
Planos que fiz e desfiz
Foram tantos, mas quase nada
No silêncio a noite se insinua
Por aí, por aqui, pela vida, pela rua.