quarta-feira, 28 de novembro de 2012

A criança em nós...



Findo o tempo de ser criança
Resta a esperança...
De que ela em nós fique.
E ela fica
Embora às vezes não se acredite.

Vez que outra se manifesta
Quer brincadeira, quer festa
Mas a fazemos adormecer...

Quando enfim queremos
Reaver a sua energia
Pois sentimos ingênua alegria...
Já não temos forças para correr...

Riso leve...



Sou entregue ao riso leve. 
Algo breve, que insinue. 
Não caminhe, perambule. 
Leve, simplesmente. Que flutue...

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Para ela...

Composição singela
Paralela
Aos meus sonhos dispersos.

Para ela
A quem dedico todos os meus versos...