sábado, 17 de setembro de 2016

Perdoa?

Perdoa
Meu riso sem graça
O olhar de pirraça
Que te faz rir à toa.
Perdoa
Meu silêncio discreto
O meu sonho secreto
O aquietar que destoa.
Perdoa
Se te confundo, te iludo
Se vou falar e fico mudo
E a palavra me voa.
Meu pedido ecoa.
Não sei sobre o fim.
Mal sei sobre mim...
Perdoa?

Nenhum comentário: