quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Outra vez...

Nos diversos rumos ao desconhecido
Se ainda hoje não me tivesse decidido
E existissem em mim a dúvida e a estranheza
Posso afirmar, com exatidão e certeza:
Sempre me defini com o coração e (in)sensatez
E escolheria igualzinho - e viveria tudo outra vez.

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Pela vida...

Mexe no lixão
E assobia,
O maltrapilho.
Tem no coração
A sua alegria
E o seu brilho.
Há dias em que chora,
Em outros um pouco avança.
Busca força e, sem demora,
Segue a luta, renova a esperança.
Causa inveja e tristeza
Ao pobre do rico cidadão
Que caminha de braços com a riqueza
Mas consigo arrasta egoísmo e solidão.

Dança...

Dança de dia
Porque traz alegria.
E não esquece de que a noite vem.
Mas tudo bem.
Quando chegar a noite,
Dança também.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Este eu...


Estou sempre neste eu que me acompanha. Neste eu que sabe os meus ensejos e desvenda os meus desejos - até os secretos. Este eu que descobre os meus sonhos mais discretos. Este eu que conhece mesmo mais de mim do que sei eu. Este eu que lembra toda hora o que de mim se perdeu e ri de mim. Como pode este eu agir assim? Como pode este eu tantas vezes me deixar de lado e me fazer sentir abandonado? E acreditem: este eu é capaz de desvendar o meu destino... E quando me julga a ponto de cometer algum desatino me indaga e me cobra, como quem nunca um dia se perdeu, sobre quem é este, esta parte que me sobra, quem é este que afinal sou eu...