quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Atitude...



Mesmo que no início seja por pirraça, 
Faça tudo que fizer com graça. 
A vida aqui é breve, logo passa. 
Adiante nem se lembrará onde tudo começou. 
E saiba: você levará somente a sensação do bem que por aqui deixou...
(ou a tristeza pelo amor que você não causou...)



terça-feira, 18 de dezembro de 2012

O que se quiser...



Essa sem-cerimônia torna tudo muito melhor. Podemos correr de mãos dadas ao vento em um campo repleto de girassóis, sem percebermos que ali não há girassol algum...

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Tarde...

Tarde

Nunca é tanto assim
Sempre há tempo, enfim...

Às vezes pode ser cedo
Basta vencer o medo
De enfrentar o que há em nós...

Ultrapassar as barreiras que a nossa vontade cria.


Desatar os nós da lembrança
Tornar liso o fio da esperança
De que a hora chega pra tudo

A gente em tempo se prepara
Porque nada, então, se repara

Tarde.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

A criança em nós...



Findo o tempo de ser criança
Resta a esperança...
De que ela em nós fique.
E ela fica
Embora às vezes não se acredite.

Vez que outra se manifesta
Quer brincadeira, quer festa
Mas a fazemos adormecer...

Quando enfim queremos
Reaver a sua energia
Pois sentimos ingênua alegria...
Já não temos forças para correr...

Riso leve...



Sou entregue ao riso leve. 
Algo breve, que insinue. 
Não caminhe, perambule. 
Leve, simplesmente. Que flutue...

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Para ela...

Composição singela
Paralela
Aos meus sonhos dispersos.

Para ela
A quem dedico todos os meus versos...

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Agora...



Instante.
Registro frágil
De uma eternidade
Distante.

domingo, 28 de outubro de 2012

Um fato...



Quero criar um fato, 
pois um fato de fato por si não se cria... 
Cada fato resulta de um ato.
Então paro, como num desacato
E num ato, com tato, faço poesia...

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Até mais...


Há pessoas que conversamos por quinze minutos, numa sala de espera. E ficaríamos assim indefinidamente, sem pressa. Leves. Até que surge a pergunta: "Quem é o próximo?" Aí, mal ocorre a despedida. Fica no ar um até nunca mais...

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Correria...


Saí com pressa, em desalinho... E percebi algo, no meio do caminho. Deu-me uma tristeza, aquela que arrasa: vi que deixei minha alegria em casa...

Os relógios...


Antipáticos esses relógios que não fazem tic-tac e

consomem cruelmente no silêncio as nossas horas...

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Onde?


Onde andarão as palavras
Que perdidas perambulam
Sozinhas?
Estarão em frases completas,
Nas rimas discretas
Ou nas entrelinhas?

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Tantos lugares...



No Universo dispersos
Mundos aos milhares
E tantos lugares
Distantes, diversos... 

... eu sei...

Mas só quero um lugar...
Só um espaço...
Só sentir o calor
Do teu abraço.

sábado, 22 de setembro de 2012

À procura...



Esperança talvez não seja bem essa a palavra. Mas algo assim o movia. 
Caminhava pela cidade a procurar pelas esquinas e nas mesas dos bares não sabia bem a quem, entre tantos rostos desconhecidos. 
Percebia os olhares desconfiados e seguia a passos lentos, descompassados. O seu olhar inquieto perdia-se nas cortinas de fumaça e cerração - e na névoa da solidão... 
Como achar a esse alguém se já não conseguia reconhecer-se?

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Que seja...


Que todo sorriso vire riso. 
Intenso. 
O sono seja leve. 
Já o sonho imenso.
E o adeus vire até breve...

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Acaso...


Se acaso for
Um novo caso de amor
Diga que sim.
Se for apenas amizade
Deixe-me na saudade
Diga não, para mim.

Essa sua indecisão
Entre o sim e o não
É demais.
Fico angustiado
Assim, apaixonado
Não tenho paz.

Diga para mim
Não me deixe na saudade.
Que não seja só amizade...
Diga que sim
Se acaso for
O caso do nosso amor.


domingo, 2 de setembro de 2012

O silêncio...


Calou-se... Por muito e muito tempo assim... Como quem espera, do nada, a solução.
Sufocou as palavras em um silêncio que mais parecia um vasto manto a cobrir a boca de um vulcão.
Esperou o passar do tempo que, na verdade, nunca o beneficou...
Acompanhou o andar das horas com quietude e amargor.
Até que sentiu-se pronto. Forte. Capaz. Iria se manifestar! Era agora!
Cochichou... balbuciou... murmurou escondido...
Estava pronto para pôr-se aos gritos!
Mas e agora, o que fazer?
Para que gritar?
Não tinha mais o que dizer...
Não havia a mais quem falar...

sábado, 25 de agosto de 2012

Apenas...


Já cansado, nada mais a ele servia para chamar a atenção.
Nem movimento, nem a alegria dos passos rápidos de quem descobre novidade.
Não queria olhar para trás. Nem saber se havia alguém ao lado.
Sem futuro, sem presente, sem passado.
Só uma vontade...

... andar... andar...
rumo ao nascer do Sol... rumo ao verde do mar...

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Em um segundo


São 20h46mim27seg. Domingo.
Na calçada perambula um gato preto
Uma formiga carrega uma folha pesada
As crianças correm
Uns nascem
Outros morrem
Num lago, um sapo coaxa
Um bêbado dorme na praça
Cai um lenço no chão
Uma barata dispara no esgoto
Um mosquito pica um pescoço
Uma lâmpada se apaga
Acendem uma vela na encruzilhada
Fecharam à chave uma porta
Alguém cai da cama
Alguém cai na lama
Quebraram uma vidraça
Apagaram uma fogueira
Explode uma bomba
Tem gente dando risadas
Rachou-se um iceberg
Eclode uma nova guerra
Tragam um cigarro de palha
É gol!
Deram um soco no ar
Vazaram óleo no mar
Um velhinha sorri
Um casal troca beijos
Alguém escreve um poema...
Agora, já são 20h46min28seg. Domingo.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

O palhaço triste


No rosto do palhaço a pintura
Esconde, com o riso, a dor.
No palco, disfarça, com bravura
A saudade que sente do seu amor...

domingo, 12 de agosto de 2012

Você e eu


Agora não sou só eu
Não sou eu só
Sou você que me apareceu
Sou uma parte de nós...

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Noite de amor

A minha vida e a tua
Nesta noite de Lua
Uma mão e uma flor
Uma noite de amor...

Sem rumo...

A multidão segue seu passo
Em descompasso...
Ensandecida...

Segue seu rumo
Sem saber qual rumo
Dar na vida...

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Terminações

O véu
Ao céu
O réu
Ao léu.

O mar
Ao ar
O amar
Ao par.

O ver
Ao crer
O viver
Ao morrer.

O fim
De mim
Ao enfim
Do sim...

sábado, 4 de agosto de 2012

Brindemos!

Mesmo que possa parecer pirraça
Enxugue a lágrima, sorria e erga a taça (brindemos!)
Há sempre muito a comemorar...

A vida é bela, uma escola, e tem seus objetivos.
Tenhamos forças e entendamos seus motivos (busquemos!)
E veremos que há mais a sorrir do que a chorar...

Fé!

terça-feira, 24 de julho de 2012

Recomeçar


Não, não há insensatez...
Apenas tentar, tentar
E recomeçar.
Outra vez...

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Somos irmãos...


O cobertor bastaria ao frio (intenso)
O pão aliviaria a fome (tão forte)
Mas algo mais seria preciso.

Um olhar de ternura (imenso)
Uma expressão de brandura (boa sorte)
E o amparo de um simples sorriso.

Somos irmãos...



terça-feira, 10 de julho de 2012

Além...


Chuva cai
Sol não vem...
Alma vai
Ali, além...

domingo, 8 de julho de 2012

Agora...


Sempre é hora
De viver o agora.
A cada instante
Nada mais é como antes...

quinta-feira, 28 de junho de 2012

E se vai...




Verso solto
Letra vaga
Palavra.


Simples
Coisa à toa
Mas parece que voa...

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Bate de porta em porta
Pelas ruas da cidade.
Não tem idade.
Não tem nome.
Apenas fome...

sábado, 19 de maio de 2012

Palavras soltas


Nem tudo o que combina ou se estima faz rima. 
E a poesia se dá na palavra dispersa... 
que versa, sem qualquer razão. Existe apenas, sem explicação...

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Essas ruas...



E essas ruas tão como antes, tão inquietas - mas estanques. Guardam em si o que não sei que houve - mas elas ouvem. E falam. Numa linguagem diferente. Lenta mas urgente. Porque a elas não cabe apenas guardar o passado em lugar seguro. Precisam também preservar-se... ter futuro...

sexta-feira, 30 de março de 2012

Voar...



Quando perambulo, flutuo
Ao perceber isso, aterrisso...
Mas não me basta planar
Quero mesmo é voar...

terça-feira, 27 de março de 2012

Apenas eu...



Nem estrada ou destino
Nem metrópole nem deserto
Nem razão nem desatino
Nem longe nem perto...

... apenas eu

Eu...



Nem ponte nem muro
Nem forte ou inseguro
Nem alguém nem algum
Apenas um...

... eu

domingo, 5 de fevereiro de 2012

As flores...



Um brinde às flores
Que lindas crescem no jardim.
Tantas e tão singelas...

Melhor: brindemos a todas as flores
Todas são lindas, enfim
Perfumadas e tão belas...

Brindemos a todos os amores
E ofereçamos as flores
Para que permaneçam, felizes...

E sigamos o exemplo das flores
Expandindo perfumes e cores
Muito além de nossas raízes...

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Uma pena...



A mão amiga se insinua
E tenta tocar a sua...

Mas ele, sem querer, evita.
Simplesmente não acredita

Que a vida continua.

Uma pena...

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Esquece...



Deixa a mágoa de lado... esquece...
Tudo pode ser tão à-toa...
Com um sorriso a alegria reaparece,
O coração dispara e o pensamento voa...

E é bem melhor...

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Ainda há jeito...



Esse mundo ainda tem jeito
Essa é uma grande verdade.
E é possível ser feliz também...

Basta cultivemos no peito
O amor e a sinceridade
Que toda criança tem...

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Já volto...



Se eu voo leve
Sem repouso antes de pousar
É que vou mas é breve
Pois já espero a hora de voltar..
.