quinta-feira, 18 de outubro de 2007

As palavras

Gostaria de usar a palavra
No âmago da sua concepção
Pois o tudo às vezes é nada
E no silêncio está a maior emoção.

O pouco às vezes é muito
E o bastante não chega a bastar.
Há casos em que na falta de assunto
Não paramos de falar.

E o que sei, o que conheço
Levam-me a entender
Que muito mais reconheço
Que deveria saber...

Lanço as palavras ao mundo
E elas se vão, assim...
Correm, voam e, num segundo,
Ficam distantes de mim.

Mas voltam (que bom).