quinta-feira, 18 de outubro de 2007

As palavras

Gostaria de usar a palavra
No âmago da sua concepção
Pois o tudo às vezes é nada
E no silêncio está a maior emoção.

O pouco às vezes é muito
E o bastante não chega a bastar.
Há casos em que na falta de assunto
Não paramos de falar.

E o que sei, o que conheço
Levam-me a entender
Que muito mais reconheço
Que deveria saber...

Lanço as palavras ao mundo
E elas se vão, assim...
Correm, voam e, num segundo,
Ficam distantes de mim.

Mas voltam (que bom).

2 comentários:

Marcelo Nascente disse...

Muito bom! Depois tu apaga esse post, mas em poesias como essas, vejo de novo meu velho irmão (sem ofensas) escrevendo com vontade.
Parabéns tchê!

Servidores disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Servidor, I hope you enjoy. The address is http://servidor-brasil.blogspot.com. A hug.