sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Sou...

Sou o que de mim vem vindo.
Incompleto, inconcluso, em confusão.
Em calmaria, em monotonia
Tanto quanto em fagulha e explosão.

Desperto, mas sem rumo certo.

Construo-me por onde esteja indo.
Respiro o frio, o morno, o calor.
E tanta vez, outra vez, me disperso

Que faço e desfaço meu universo
E sigo-me aonde eu for...