terça-feira, 31 de julho de 2007

Rastro de flores

Deixei um rastro de flores
Para não me perder do caminho.
Muito procurei entre os amores
Por não saber estar sozinho.

Busquei ser sincero e verdadeiro
Agir sempre com carinho.
Fui real e por inteiro
Para entre as flores não deixar espinhos.

Penso que agindo assim
Aprendi, vivi, algo ensinei.
Doei muito de mim
Mas muito recebi, bem sei.

Esta é a procura da vida
Umas vezes riso, outras dor.
Por vezes chegada, outras despedida
Na procura do grande amor.

Eu encontrei...

Um comentário:

Marcelo Nascente disse...

Muito bom... como sempre, aliás. Abraço!