segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Aparece...



Olha a silhueta dela
Esguia, escondida na janela
Olhando quem passa pela rua...
Faz que sim, mas nunca se insinua...

Moça, aparece, mostra
O teu olhar que tão lindo deve ser...
Vem, transparece, para que eu possa
Um pouquinho só, ter a graça de te ver...

Moça não esconde na cortina
Os encantos que eu imagino...
Ages como uma menina
E fazes que me sinta um menino...

Indeciso, rubro e acanhado
Disfarço e finjo não te notar...
Mas adoro me sentir apanhado
Ao ser mira do teu lindo olhar...

Aparece... Deixa eu te ver...

Nenhum comentário: