quinta-feira, 25 de agosto de 2011

E eu vou...


Nada há que me prenda
Nada há que me renda
E isso é mesmo estranho...
Porque sou livre, esguio
Deter-me é um desafio
Imenso, sem tamanho...

Mas se ela acolhe-me em seus braços
Atrai e direciona os meus passos.

E eu vou...


Nenhum comentário: