sábado, 6 de agosto de 2011

Eu sou assim


Eu sou a terra
Maltratada pelo terror da guerra
Quando fizeram pisar o meu chão.
E guardo um passado de dor e solidão.
Eu sou a árvore que plantaram
Mas esqueceram de regar.
Meus galhos, teimosos, vingaram
Por minha vontade de viver e de lutar.
Estou nas gramas rasteiras
E nas águas das cachoeiras.
Se de tudo hoje sou nada
É fiquei no pó da estrada
Que não queres respirar.

Eu resisto o passar do tempo
Forte, forte como o vento
E se fraquejo comigo
Sou humilde e faço
Um pedido:
Me deixem ser assim
Que vou firme até o fim.
Eu aguento o repuxo
Por que mais do que tudo
Eu sou gaúcho!

Nenhum comentário: