quinta-feira, 5 de junho de 2014

A carta


Mediu as palavras. Escreveu a carta. Releu o texto. Rabiscou algumas linhas. Trocou expressões. Corrigiu pontuações. Adicionou mais um tanto. Releu. Passou a limpo. Caprichou na letra. Releu. Ajeitou a tinta fraca. Releu. Assinou. Preencheu o envelope. Envelopou. Lacrou. Selou. Arrumou-se. Respirou fundo. Encheu-se de coragem. Saiu à rua. Envelope na mão. Caminhou em passo firme. Quase correu. Riu de si. Sorriu às pessoas. Acariciou um cachorro. Correu mais um tanto. Correios. Ingressou. Fila de espera. Ansiedade. Olhou pro envelope. Cedeu a vez. "Pode passar, por favor..." Recuou. Voltou à calçada. Olhou pro envelope. Refez o caminho. Devagar. Devagar. Seriedade. Não olhou as pessoas. Desviou do cachorro. As chaves. Em casa. No quarto. O envelope. A gaveta. O silêncio. O silêncio. "Um dia, talvez..."

Nenhum comentário: