quarta-feira, 18 de junho de 2014

Mulher matemática

Ela é como a matemática
Exata e lógica.
O seu ritmo
É numeral, é logarítmico.

O seu olhar é matemático
Claro e enfático.
Para conhecê-la de vez
Nem mesmo com regra de três.

Sei de cor sua tabuada
E tento calcular sua raiz.
Mas isso é quase nada
Para fazê-la feliz.

Estudo sua geometria
E uso certa simetria
Para saber qual a fração
Para conquistar seu coração.

Ela me usa e abusa
Sou um simples cateto e ela a hipotenusa.
Sinto-me um ônus tarifário
Um reles número ordinário.

Mas o amor é assim, esquisito
Aberto ao infinito.
Quem sabe lá, depois
Um mais um vire nós dois.

Um comentário:

Lia disse...

Você escreve muito bem!! Fico admirada,parabéns!!