quinta-feira, 5 de maio de 2011

Mulher


Era a força motriz
Da luz que nem se diz
O quanto luzia
O sonho aquele dia.

Os sonhos de agora
Calavam na hora
Em que surgiam ao lado
De um grito calado.

Eu gritava: "Mulher
Força motriz!
Se você me quiser
Me faz feliz..."

Como eu sou pouco
Como eu sou louco
Uma nada qualquer
Algum na jornada
Um resto de estrada
Num olhar de... mulher.

Um comentário:

celia disse...

Muito lindo esse poema, como todo poeta , sua sensibilidade é incrível!!!Adorei seu blog e a maneira como escreve. Parabéns! Abraço @celimoia